Ela é uma leitora nata, nutre uma paixão pelos livros desde criança, estava sempre tentando incentivar as pessoas ao redor para o amor pela leitura, contando histórias e compartilhando seus sentimentos em relação aos seus personagens favoritos. Vivia no mundo da lua ou “no mundo da literatura”, na sua mente criava histórias e experiências vívidas com esses personagens. Por mais que amasse o mundo de faz-de-conta, ela sabia valorizar aquilo que não estava nos livros. 


Como era bom ser criança, não ter responsabilidades para se preocupar, poder brincar o dia todo e sentir como se tivesse tido um dia realmente cheio. Fazer amigos todos os dias, que iam na sua casa para brincar de esconde-esconde ou de pega-pega.
Como era bom ser criança, não ter problemas para resolver ou contas para pagar, querer apenas uma coleção de giz de cera para desenhar ou montar personagens com massinha de modelar.


Perdida entre lápis e papel, eu tento escrever uma canção, dessas que se tornam memoráveis e a “música-tema” de tantos casais. Tento colocar no papel tudo aquilo que sinto, já que não encontro palavras para dizer. Gostaria que você pudesse ler meus pensamentos quando estamos juntos, assim seria mais fácil pra você entender o que é estar no meu lugar, pois uma música não seria suficiente para expressar o que tenho dentro de mim.