Querida Lenise,

Não sei se minhas atuais atitudes vão te deixar orgulhosa ou se você vai se decepcionar comigo. Juro que estou tentando fazer o melhor que posso, mas às vezes sinto que não sou capaz. Já conquistei muito do que havíamos planejado, mas ainda falta muito a ser realizado. Espero que você esteja colhendo os frutos que eu plantei e que eles sejam mais do que suficientes pra você.


Sinopse:

Em Falando o mais rápido que posso, Lauren Graham faz uma retrospectiva de sua vida e compartilha histórias engraçadíssimas sobre seu amadurecimento, o início da carreira da atriz e, anos mais tarde, como foi estar em seu trailer no set de Parenthood e se perguntar: “Será que eu, hmmm, cheguei lá?” Também expõe os desafios de ser uma mulher solteira de Hollywood – “Desconhecidos ficavam preocupados comigo; para você ver por quanto tempo fiquei solteira!” –, conta sobre a vez que pediram a ela que fizesse um teste para um papel com a própria bunda e relata sua experiência como jurada no Project Runaway – “Foi como se tivesse me dado um branco fashion”.
Em “Como foi – Parte um”, Lauren encara uma maratona épica de Gilmore Girls e relembra a sensação de ter sido chamada para interpretar a eloquente Lorelai Gilmore. Em “Como foi – Parte dois”, conta, em primeira mão, a experiência de voltar ao papel nove anos depois e o que isso significou para ela.
Outras coisas que você também vai descobrir sobre Lauren: certa ocasião ela tentou ser vegana só para ter algo em comum com Ellen DeGeneres; ela sabe que conhecer caras interessantes pode ser perigoso – “Se você aparece em um primeiro encontro depois de passar três horas fazendo cabelo, maquiagem e escolhendo a roupa, seu padrão está alto demais” – e que ela tem uma teoria muito interessante sobre papel toalha. Sim, papel toalha.
Além de trazer fotos e trechos do diário que Lauren manteve durante a gravações de Gilmore Girls: um ano para recordar, a mais recente temporada da série, este livro é como uma noite agradável em casa batendo papo com sua melhor amiga, rindo, contando muitas histórias e – é claro – falando o mais rápido que você puder.

Autora: Lauren Graham
Páginas: 240


É engraçado o quanto as pessoas acham que sabem sobre minha vida, o que devo ou não fazer, o que é certo ou errado, parecem que querem saber mais do que eu. Julgam minhas atitudes através do que elas consideram moral ou imoral, acreditam que a opinião delas está acima da minha.
Quando corto o cabelo, dizem que ele ficava melhor quando estava comprido; se engordo alguns quilos, mandam eu me cuidar; estou solteira e insistem que eu devo encontrar alguém para namorar. São tantos exemplos, que me sinto cansada só de pensar.
É como se cada decisão que eu tomar não será boa o suficiente, sempre vai ter alguém para me julgar e tentar me convencer de que estou errada. Não consigo entender essa insistência em me fazerem acreditar que sou insuficiente. Não tenho nada de bom? Será que sou uma fracassada?


Era Carnaval, mas eu queria apenas ficar em casa e dormir. Por ser feriado, eu precisava descansar e repor as energias. Liguei o ar-condicionado e me enrolei numa coberta. Deite-me na cama na sexta à noite querendo acordar apenas na próxima quarta-feira de manhã. Mas algo me fez levantar...
Era Carnaval, então eu precisava sair da rotina, festejar e me divertir. Me levantei sem saber ao certo aonde iria, me fantasiei e coloquei uma máscara, queria ser outra pessoa neste dia.